Páginas

terça-feira, 30 de setembro de 2008

PASSADO MISTERIOSO

Os historiadores nunca ousaram explicar a razão pela qual os incas, astecas, maias, fenícios e os assírios-babilônicos tinham deuses que representavam o planeta Vênus e tripulavam máquinas voadoras. O próprio Jesus no Apocalipse promete para aquele que lhe for fiel até o fim a “estrela da manhã” (planeta Vênus), ele próprio é apresentado como a resplandecente “estrela da manhã”. Erros flagrantes falsearam a história das civilizações, todavia o vinho esta servido e as massas já se embriagaram com as fantasias.

Muitos arqueólogos do nosso tem pó precisam rever quase tudo que foi estabelecido como verdade absoluta sobre os vestígios dos nossos ancestrais. Os geoglifos da planície de Nazca no Peru; os menires, dolmens e petroglifos na Inglaterra, Irlanda e na França, trazem indícios de um passado enigmático da humanidade. Na região da Sabóia, perto de Lanslevillard, abriga um enorme bloco que apresenta pegadas humanas moldadas na rocha de um tempo incalculável, mas sinais deste tipo encontram-se na Yugoslávia, Espanha, Escandinávia e Romênia.

Na costa da Florida um grande enigma permanece. O professor Manson Valentim descobriu em 1971, os restos de um templo, mesas talhadas, talhadas, colunas; uma pirâmide de dimensões de dimensões ainda desconhecida também repousa com os restos de uma cultura que os oceanos tragaram. O geólogo russo N. Zirov, segundo a enciclopédia O MAR (No 16/Abr-72) retirou da costa da Ilha de Bimini uma tonelada de discos calcários de 145 cm de diâmetros 4 cm de espessura, polidos de um lado só. Estes discos, segundo alguns estudiosos do insólito, há milhares de anos jaziam sob as águas.

Muito antes de Colombo e Cabral se falava até no Oriente de uma região chamada Brazil. Braazi (brasa) é uma referência a cor avermelhada da madeira, cujas propriedades para tingimento eram plenamente conhecidas pelos nativos e dela suas terras eram abundantes. Braazi entre os celtas significa vermelho. Historiadores da pré-história são pessoas muito sérias, mas em suas teses pouco mencionam sobre o mundo antes da última grande catástrofe, popularmente conhecida como dilúvio, que devastou a Terra há 12.000 mil anos.

Os homens antediluvianos da Atlântida, possuíam grandes conhecimentos científicos ainda ignorados pela ciência oficial. Por repetidas vezes ao longo de milhares de anos a nossa raça teve que recomeçar do zero, quantos povos desenvolveram técnicas diferenciadas das nossas, mas tão eficientes quanto. Até onde nossas pesquisas alcançam, e não é muito longe, já que as mais relevantes obras escritas (rolos, pergaminho, papiros, placas de barro) desapareceram com a biblioteca de Alexandria. Podemos afirmar que seres humanos inteligentes não saíram das cavernas apenas há 150 mil anos, mas provavelmente há um milhão de anos.

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

OS FANTÁSTICOS SUMÉRIOS





Sua astronomia era incrivelmente avançada: seus observatórios obtinham cálculos do ciclo lunar que diferiam em apenas 0,4 segundos dos cálculos atuais. Na colina de kuyundjick, antiga Nínive, foi encontrado um cálculo, cujo resultado final, em nossa numeração, corresponde a 195.955.200.000.000, um número de quinze casas! Os velhos e inteligentes gregos, no auge do brilho do seu saber, não passaram do número 10.000, o resto seria o "infinito". Na cidade de Nipur, 150 km ao sul de Bagdá, foi encontrada uma biblioteca sumeriana inteira, contendo cerca de 60.000 placas de barro com inscrições cuneiformes. As traduções destas diz que a terra, teve origem extraterrestre.

Os sumérios acreditavam que seus "deuses" vieram do planeta "nibiru", o décimo - segundo planeta, que completa uma volta no sol a cada 3600 anos. As placas sumerianas tem informações precisas sobre os planetas do sistema solar. O mais impressionante são os dados sobre plutão (planeta que só foi descoberto em 1930). Eles sabiam o tamanho de plutão, sua composição química e orgânica e afirmavam que plutão era na verdade um satélite de saturno que se "desprendeu" e ganhou uma nova órbita. Eles chamavam a lua de pote de chumbo e diziam que seu núcleo era uma 'cabaça' de ferro. Durante o programa Apolo, a NASA confirmou esses dados. Esse conhecimento seria possível há 3.000 anos atrás?

Registraram ainda que após 35 milhões de anos nibiru corria risco de se acabar totalmente, então, como a terra era o único planeta com condições favoráveis para sua sobrevivência, fizeram misturas genéticas entre os primatas e a sua espécie. Diz-se que estes colonizadores tinham uma expectativa de vida de 20.000 anos, período completamente incompreensíveis para o nosso saber, e eram humanóides gigantes. Com o passar do tempo esses extraterrestres misturaram-se com os humanos, gerando assim novas raças e etnias: os "filhos dos deuses".

Os Ets também advertiram das calamidades que o planeta terra iria passar, pois o planeta nibiru passaria muito perto de nós e a atração gravitacional iria provocar um cataclismo. Se ligarmos o dilúvio e a arca de Noé com a epopéia de Gilgamesh dos documentos sumérios; os anunakis das lendas sumérias e por sua vez o aparecimento dos niphilins na bíblia; as nuvens que sobem e descem juntamente com os contatos imediatos com anjos lá registrados, há fortes semelhanças entre o que menciona a Bíblia e os contos sumerianos.

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

ASTRONOMIA FANTÁSTICA DOS ANTIGOS

Nossos ancestrais, que viveram há dezenas de milhares de anos, possuíam conhecimentos astronômicos inexplicáveis, cujos traços foram recentemente descobertos em seus calendários, bem como nas dimensões e orientações que eles davam aos seus monumentos. A astronomia neolítica tem por objetivo determinar a precisão destes conhecimentos e tenta descobrir como é que nossos ancestrais puderam adquiri-los por si mesmos, sem telescópios e calculadoras. Estes conhecimentos já existiam há 40 mil anos. Isto porque foram encontradas grandes quantidades de ossos de animais pré-históricos na França datando desta época, os quais estavam cobertos por centenas de entalhes que indicavam anotações astronômicas.



CICLOS PLANETÁRIOS

Ano de Sirius

É a mais brilhante estrela no céu, o ano desta estrela é 12 minutos mais longo que o ano solar, sendo necessário 43.200 anos de 360 dias para que o sol e Sirius se encontrem no mesmo ponto na abóboda celeste. Isto já era de conhecimento dos astrônomos egípcios, já que o número 432 tem sido encontrado nos cálculos astronômicos e nas dimensões dos seus monumentos.

Ciclo Júpiter/Saturno

7.254 dias é o período do ciclo de conjunção destes planetas, sendo a base do misterioso calendário maia, o qual os arqueólogos clássicos julgavam baseados no número 7.200, isto é, 20 anos de 360 dias de duração cada. Isto explica porque o calendário maia que havia sido calculado apresentava um erro de 54 dias a cada 20 anos.


Ano Lunar

Ano lunar de 364 dias representava 13 meses de 28 dias. 15 desses anos representavam 7 ciclos sinódicos de Marte de 780 dias.


Os ciclos do Calendário Maia

Ele consistia de 7 ciclos inter-relacionados, incluindo um ano solar de 365 dias, um ano cerimonial de 260 dias, um ciclo lunar, um ciclo venusiano e dois outros , cujo significado jamais foi identificado. Correndo concomitantemente esses ciclos interagiam, formando um calendário que se repetia a cada 52 anos, em ciclos permanentes. O que inspirou este povo elaborar o mais complexo e perfeito calendário da antiguidade e porquê eram tão obcecados pelo planeta Vênus é um total mistério.


Ciclos Sinódicos

Período que um planeta leva para de novo se posicionar entre a Terra e o sol.

Mercúrio – 117 dias
Júpiter – 399 dia
Saturno 378 dias
Urano – 370 dias



Ciclos Climáticos da Terra

A Terra passa ao longo de milhares de anos por períodos climáticos agradáveis e outros terríveis, em que o clima é frio e seco, com as calotas glaciais nos dois pólos estendendo-se até 40º da linha do Equador, neste período a vida animal ou vegetal fica muito reduzida e concentrada na zona tropical. Estes ciclos climáticos já eram conhecidos pelos nossos antepassados. Os maias possuíam um ciclo de 5.200 anos, representando 260 ciclos de conjunção de Júpiter e saturno, com 20 anos cada. Os egípcios possuíam um grande ciclo de 7.592.000 anos, isto é, 363 ciclos climáticos da Terra, com 20.800 anos cada.


REGRESSÃO FORÇADA

Basta-nos agora descobrir, após que cataclismo, estes extraordinários conhecimentos de astronomia foram perdidos, já que os que vieram depois os ignoravam a ponto de pensar por um longo período que a Terra era o centro do universo. Por este ponto de vista fica claro que a nossa raça por imposição do meio regrediu e não foi pouco.
Ocorreu um erro neste gadget

EX OFICIAIS MILITARES DOS EUA DIZEM QUE OVNIS DESARMARAM ARMAS NUCLEARES

O Ciclo das COISAS

UFO NA CHINA

EARTH GLOBE

ENIGMAS DO PASSADO

ENIGMAS DO PASSADO

PARA PENSAR...

Para compreendermos a pequenez da nossa condição humana não precisamos olhar o céu estrelado, basta que consideremos as civilizações que existiram milhares de anos antes de nós,que foram grandes antes nós e antes de nós desapareceram. Cada novo achado representa um aprofundamento em novos conhecimentos, mas também significa muitas vezes que precisamos revisar antigos conceitos que aparentavam ser tão seguros.”

C.W. Ceram

Ocorreu um erro neste gadget